Você está em: Home -> Formação (Geral) -> A constituição brasileira, a família e a insegurança jurídica
Família/Foto: Christyam de Lima

A constituição brasileira, a família e a insegurança jurídica

11.05.2011

A Constituição Federal de 1988 reconheceu como entidade familiar a “união estável” entre o homem e a mulher:

Art. 226, § 3º. Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.

Conforme reconhece o ministro Ricardo Lewandowski, “nas discussões travadas na Assembleia Constituinte a questão do gênero na união estável foi amplamente debatida, quando se votou o dispositivo em tela, concluindo-se, de modo insofismável, que a união estável abrange, única e exclusivamente, pessoas de sexo distinto”[1]. Logo, sem violar a Constituição, jamais uma lei poderia reconhecer a “união estável” entre dois homens ou entre duas mulheres. De fato, o Código Civil, repetindo quase literalmente o texto constitucional, reconhece a “união estável” somente entre o homem e a mulher:

Art. 1.723. É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem e a mulher, configurada na convivência pública, contínua e duradoura e estabelecida com o objetivo de constituição de família.

A não ser que se reformasse a Constituição, os militantes homossexualistas jamais poderiam pretender o reconhecimento da união estável entre dois homossexuais ou entre duas lésbicas. Isso é o que diz a lógica e o bom senso.

No julgamento ocorrido em 4 e 5 de maio de 2011, no entanto, o Supremo Tribunal Federal, ferindo regras elementares da coerência lógica, reconheceu por unanimidade (!) a “união estável” entre duplas homossexuais.
Naqueles dias foram julgadas em conjunto duas ações: a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 132 (ADPF 132) proposta em 2008 pelo governador Sérgio Cabral, do Estado do Rio de Janeiro e a Ação Direta de Inconstitucionalidade 4277 (ADI 4277) proposta em 2009 pela vice-Procuradora Geral da República Débora Duprat, na época exercendo interinamente o cargo de Procuradora Geral da República.

O que ambas as ações tinham em comum era o pedido de declarar o artigo 1723 do Código Civil inconstitucional a menos que ele fosse interpretado de modo a incluir as duplas homossexuais na figura da “união estável”. O pedido, por estranho (e absurdo) que fosse, foi acolhido pelo relator Ministro Ayres Britto [foto] e por toda a Suprema Corte. Foi impedido de votar o Ministro Dias Toffoli, que já havia atuado no feito como Advogado Geral da União (em defesa da “união” homossexual, é óbvio). Dos dez restantes, todos votaram pela procedência do pedido.

Acompanhemos o raciocínio do relator Ayres Britto.

Segundo ele, o texto do artigo 1723 do Código Civil admite “plurissignificatividade”[2], ou seja, mais de um significado. O primeiro (e óbvio) significado é que o artigo reconhece como entidade familiar a união estável somente entre um homem e uma mulher, excluindo a união de pessoas do mesmo sexo. O segundo significado (contenha-se para não rir) é que o artigo reconhece como entidade familiar a união estável, por exemplo, entre um homem e uma mulher, mas sem excluir as uniões homossexuais. Para Ayres Britto, a primeira interpretação é inconstitucional, por admitir um “preconceito” ou “discriminação” em razão do sexo, o que é vedado pela Constituição Federal (art. 3º, IV).

Somente a segunda interpretação, por ele descoberta (ou criada) é constitucional. Concluiu então seu voto dizendo: “dou ao art. 1.723 do Código Civil interpretação conforme à Constituição para dele excluir qualquer significado que impeça o reconhecimento da união contínua, pública e duradoura entre pessoas do mesmo sexo como ‘entidade familiar’, entendida esta como sinônimo perfeito de ‘família’. Reconhecimento que é de ser feito segundo as mesmas regras e com as mesmas consequências da união estável heteroafetiva”[3].

Uma das consequências imediatas do reconhecimento da “união estável” entre pessoas do mesmo sexo é que tal união poderá ser convertida em casamento, conforme o artigo 1726 do Código Civil: “A união estável poderá converter-se em casamento, mediante pedido dos companheiros ao juiz e assento no Registro Civil”. De um só golpe, portanto, o Supremo Tribunal Federal reconhece a “união estável” e o “casamento” de homossexuais!

Para se avaliar quão disparatada é essa decisão, observe-se que, embora a “união estável” e o casamento sempre ocorram entre um homem e uma mulher, não ocorrem entre qualquer homem e qualquer mulher. Não pode haver casamento, por exemplo, entre irmão e irmã, entre pai e filha ou entre genro e sogra. Esses impedimentos baseados na consanguinidade e na afinidade (art. 1521, CC) aplicam-se também à “união estável” (art. 1723, § 1º, CC). A diversidade dos sexos é necessária, mas não basta. Não se reconhece “união estável” entre um homem e uma mulher “impedidos de casar” (art. 1727).

Será que os Ministros do STF considerariam inconstitucionais estas proibições do casamento de parentes próximos? Em outras palavras: é “preconceituosa” e “discriminatória” a lei que proíbe as uniões incestuosas? Parece que a resposta seria afirmativa. Pois embora o incesto seja uma perversão sexual, ele ainda está abaixo do homossexualismo, que foi admitido pela Suprema Corte como meio de constituição de uma “família”.

E quanto à pedofilia? Seria sua proibição um simples “preconceito de idade”? Esse é o argumento da associação NAMBLA de pedófilos dos Estados Unidos[4], que usa a palavra “ageism” (“idadismo” ou etarismo) para criticar a proibição de praticar atos homossexuais com crianças.

Andemos adiante. Quando a Constituição fala que “todos são iguais perante a lei” (art. 5º) não diz explicitamente que este “todos” se refere apenas aos seres humanos. Estariam os animais aí incluídos? Seria, portanto, inconstitucional a proibição de uma “união estável” ou de um “casamento” entre uma pessoa e um animal? O bioeticista australiano Peter Singer usa o termo “especismo” para designar o “preconceito” e “discriminação” contra os animais em razão de sua espécie. Num futuro próximo, não só a pedofilia, mas também a bestialidade (prática sexual com animais) poderia ser admitida com base no mesmo argumento que admitiu a “família” fundada no homossexualismo.

Discriminação contra os castos

Imagine-se que dois amigos compartilhem a mesma habitação a fim de fazerem um curso universitário. Enquanto eles viverem castamente, não terão qualquer direito especial. Se, porém, decidirem praticar entre si o vício contra a natureza de maneira “contínua, pública e duradoura”, constituirão, se quiserem, uma “família”, com todos os direitos a ela anexos. A decisão do STF constitui um privilégio para o vício em detrimento dos que vivem a castidade.

Perda da segurança jurídica

Com o golpe de 4 e 5 de maio de 2011, o Estado brasileiro perdeu toda a segurança jurídica. Se a Suprema Corte reserva a si o direito não só de legislar (o que já seria um abuso), mas até de reformar a Constituição, mudando o sentido óbvio de seu texto em favor de uma ideologia, todo o sistema jurídico passa a se fundar sobre a areia movediça. A vergonhosa decisão demonstrou que a clareza das palavras da Constituição não impede que os Ministros imponham a sua vontade, quando conflitante com o texto constitucional.

A Frente Parlamentar em Defesa da Vida – contra o Aborto – pretende apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que acrescente as palavras “desde a concepção” no artigo 5º, caput, que trata da inviolabilidade do direito à vida. Em tese, essa emenda, se aprovada, sepultaria toda pretensão abortista no país. Isso se pudéssemos contar com a seriedade da Suprema Corte. Essa seriedade, porém, foi perdida com a admissão das “uniões” homossexuais. É de se temer que, mesmo diante da expressão “desde a concepção”, alguns Ministros do STF inventem uma peculiar “interpretação” do texto que não exclua o direito ao aborto.

Caso inédito

A monstruosidade lógica do julgamento da ADPF 132 / ADI 4277 ultrapassa tudo o que se conhece de absurdo em alguma Corte Constitucional. É verdade que a sentença Roe versus Wade, emitida em 22 de janeiro de 1973 pela Suprema Corte dos EUA, declarou inconstitucional qualquer lei que incriminasse o aborto nos seis primeiros meses de gestação. Esse golpe foi dado com base no direito da mulher à privacidade e na negação da personalidade do nascituro. No entanto, a decisão não foi unânime. Dos nove juízes, houve dois que se insurgiram contra ela. No Brasil, porém, para nosso espanto e vergonha, não houve dissidência. Todos os membros do STF admitiram enxergar uma inconstitucionalidade que não existe no artigo 1723 do Código Civil.

Isso faz lembrar o conto “A roupa nova do imperador”, cujos tecelões afirmavam que só não era vista pelos tolos. Enquanto o monarca desfilava com camiseta e calça curta, todos – com exceção de uma criança – se diziam admirados com a beleza da inexistente roupa. Desta vez, os Ministros, temerosos de serem considerados não tolos, mas “preconceituosos”, “retrógrados” e “homofóbicos” acabaram todos por enxergar uma inconstitucionalidade inexistente. Espera-se o grito de alguma criança para acabar com a comédia.

Anápolis, 9 de maio de 2011.
Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz.
Presidente do Pró-Vida de Anápolis

Retirado de: Blog do Carmadélio

Share

Tags: , , ,

Comentários:

  • Maicon - 11.05.2011 às 17:10

    Boa noite,

    Duvido muito que meu depoimento seja postado aqui, mesmo porque há muita dificuldade no seio da igreja em lidar com atíteses. No entanto, insisto em dizer…
    Assim como a história nos lança Às revisões de nossas leis e estatutos, em vista do abarcamento dos fenômenos que vivemos, a Igreja também deve fazer – com cautela, sobriedade e coragem – suas revisões; sejam elas litúrgicas ou doutrinais. O comportamento de rigidez absoluta, fechamento e de uma apologia míope atrapalham a Igreja a pensar práticas mais próximas do povo.
    Minha crítica diz respeito a rudeza, insensibilidade e petulância com as quais foram escritos o artigo (ao menos é o que se parece). Se a questão é para ser debatida, seja para defender o ponto de vista contrário ao do STJ ou para apoiá-la, vamos fazê-la de forma cristã: com caridade, com respeito, com menos ironias.Afinal, A fé é feita de questões e não de certezas, como nos alertou Pe. Libânio. Ou Jesus teria também pegado uma pedra para atirar na pecadora? Ou não teria instituído Pedro, mesmo que o tenha negado?
    Que tal deixar Deus nos falar no tempo e na história? Aliás, que tal tentar escutá-lo?
    Um abraço cristão,


Nome


E-mail






Campanha de Natal
Últimas Fotos

Created with flickr slideshow.
AGENDA OUT/NOV
Clique nos eventos para saber mais!

17/09 - IV SEMINÁRIO DE CURA INTERIOR

10/11 - FUTSAL SOLIDÁRIO 15 ANOS

16/11 - SHOW COM MISSIONÁRIO COSME

22/11 - BALADA SANTA - SANCTUS FEST


Entre em contato e agende missões conosco: (37) 3016-3625

*CESA : Centro de Evangelização Sacramento de Amor

Veja agenda completa aqui!
Reze conosco!
Redes Sociais
Nos acompanhe nas redes sociais!!!

Amigos do Facebook
Jornal Informativo Mensal
Sacramento de Amor
Mural de Recados
mi
12.09.2014 - Sexta-Feira
QUE HOJE HAJA PAZ DENTRO DE MIM, QUE EU POSSA CONFIAR NO PODER MAIS ALTO QUE É DEUS, POIS ESTOU EXATAMENTE ONDE DEVO ESTAR.QUE SEJA FEITA A VONTADE DE DEUS!!!NOSSO PAI QUE EU NÃO ME ESQUEÇA AS POSSIBILIDADES INFINITAS QUE NASCEM DA FÉ, QUE EU POSSA USAR ESTAS BENÇÃOS QUE SÃO DADAS, QUE EU POSSA ME SENTIR SATISFEITO SABENDO QUE SOU FILHO DE DEUS, E , PERMITA-ME SENHOR QUE SUA PRESENÇA SE ESTABELEÇA EM MEUS GESTOS DE FÉ A MINHA ALMA A LIBERDADE PARA CANTAR E DANÇAS E SE AQUEÇAM NA LUZ QUE ESTÁ AQUI PARA TODOS NÓS!!! AMÉM!!!
Gilliane
21.06.2014 - Sádado
Deus abençoe vcs,sou Gilliane ex interna da casa de Campo Belo ,hoje vivo uma historia diferente em minha vida graças a vcs e a Deus q me trilhou no caminho de pessoas especiais como vcs muita saudades estou morando em Divinopolis e preciso de muita força de vcs espero anciosa rever vcs !!Obrigada por colcar a semente em meu coração q hj gemina e quero q floreça junto com vcs quero rever e participar sempre de tudo!Beijo Drica ,Deumario e Tamiris,Eduardo e Roberta e a tds!!
denilson
20.06.2014 - Sexta-Feira
que DEUS continue abencoando a todos por esse trabalho de evangelizaçao,sabemos das armadilhas do inimigo pra nos afastar de DEUS precisamos estar atento e nao deixar cair em tentaçao.que nossa senhora continue derramando bençaos sobre esta obra e cubra cada um de vcs com seu manto sagrado.
Google Analytics
Receba nossas novidades!
Loading...Loading...


Apoiadores | Que nosso Deus não deixe faltar nada a você
Seja um Apoiador
Somadil Ciap Contal lemos lubrificantes Oi Divinopolis Div Botoes bozo Posto
Twitter
YouTube
Flick
Facebook
Comunidade Católica Sacramento de Amor
Divinópolis – MG
Clique aqui e fale conosco
Copyright 2014 - Comunidade Católica Sacramento de Amor - Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Agência Católica | Baseado no Wordpress
Website desenvolvido por Agência Católica
Qualidade e Profissionalismo a Serviço de Deus